Arquétipos

Anjos

Hierarquias Angelicais



Serafins
Querubins
Tronos
Dominações
Potências
Virtudes
Principados
Arcanjos
Anjos


Serafins

Sua missão é purificar e iluminar. São representados com seis asas e rodeados do fogo que ilumina e puifica. Seu Príncipe é Metraton, o Anjo mais próximo de Deus.




Príncipe Metraton – Representa o poder da abundância e da supremacia. Lendas hebraicas dizem que Metraton era um humano da sétima geração de descendentes de Adão, Enoch, que por seu comportamento santo e sua moral reta não desencarnou ao morrer, e sim, caminhou ao lado de Deus para o Paraíso.

Querubins



Representados como aquelas crianças fofinhas com asas e ar arteiro. Guardam toda a sabedoria, conhecimento e verdade do planeta. Seu Príncipe é Raziel.


Príncipe Raziel – Guardião dos mistérios e da originalidade. Seu nome em hebraico significa “segredo de Deus”. A tradição judaica diz que Raziel entregou a Adãoum livro contendo os segredos das ervas medicinais quando ele ficou doente. Com certeza a descoberta dos florais teve uma influência deste Anjo.
Tronos

Guardam o Trono Celestial e administram os julgamentos divinos por todo o Universo, além de espalhar bênçãos. Costumam ser representados como belos jovens que portam instrumentos musicais. Seu líder máximo é Auriel, também chamado de Tsaphkiel.

Príncipe Auriel Tsaphkiel – Gosta de reconciliar adversários e mostrar o melhor caminho quando estamos diante de uma decisão difícil ou contraditória. Sempre que invocar este Anjo, coloque uma boa música para agradá-lo.
Dominações



Detêm o controle do Universo nas mãos, fazendo a ligação entre o Universo e o mundo material. Seu símbolo é o cetro e a espada (representam a autoridade e o poder divinos) e seu príncipe é Uriel.





Príncipe Arcanjo Uriel ou Tzadkiel - É o Anjo que concede inspiração e tem grande senso de humor. Este príncipe, conhecido como “Fogo de Deu”, também está ligado às artes e ao ensino e ajuda as pessoas a atingirem suas metas, dando-lhes entusiasmo e perseverança.
Potências ou Potestades

Responsáveis pela perpetuação das espécies vivas. São também guardiões da Humanidade e de sua história. São liderados pelo Príncipe Camael e seu símbolo é a espada flamejante.


Príncipe Camael - É o Anjo que cuida para que seja feita a vontade de Deus, removendo do caminho os obstáculos a esta vontade. Ele lidera esta categoria de Anjos que é conhecida como protetora dos animais.
Virtudes


Detém o controle das forças da natureza e orientam os homens sobre sua missão na terra, traduzindo a vontade divina. Carregam na mão um cajado ou um bastão e seu Príncipe é Rafael, o Anjo da Cura.


Príncipe Arcanjo Rafael - É o Anjo da cura e intermediário do casamento legítimo. Graças à prestimosa ajuda deste Anjo, a Humanidade conhecerá a cura para diversas doenças até o final do milênio.

Principados

Cuidam dos grandes grupos organizados, como reinos e nações, além de proteger a flora, a fauna e o reino mineral. Portam cetros e cruzes nas mãos e são liderados por Haniel.


Príncipe HanielChefe dos cupidos. Se está com algum problema com cupidos míopes e flechas tortas, já sabe com quem reclamar.

Arcanjos

São eles que sopram conselhos nos ouvidos dos homens e que surgem nas horas mais difíceis para nos mostrar o caminho. Seu Príncipe é Miguel, que traz nas mãos um escudo e uma espada.




Príncipe Arcanjo Miguel - É o Anjo Guerreiro, sempre pronto a aparecer em momentos decisivos, em que precisamos de vitória sobre qualquer adversidade. É ágil nos assuntos de negócios e competições e é também o general das milícias celestes.

Anjos

São os mais próximos de nós, responsáveis pela guarda de cada um dos seres humanos. Seu líder é Gabriel.


Príncipe Arcanjo Gabriel - Anjo da Anunciação, Herói da Humanidade, pode contar com este Anjo quando precisar de conselho ou sobre algo que ainda virá a acontecer. Também encaminha a alma do bebê durante o tempo em que ele fica no ventre da mãe.

Arcanjos dos 7 Raios

1º Raio – Arcanjo Miguel e seu complemento divino Fé 

2º Raio – Arcanjo Jofiel e seu complemento divino Constância
 
3º Raio – Arcanjo Samuel e seu complemento divino Caridade
4º Raio – Arcanjo Gabriel e seu complemento divino Esperança
5º Raio – Arcanjo Rafael e seu complemento divino Maria
6º Raio – Arcanjo Uriel e seu complemento divino Graça
7º Raio – Arcanjo Ezequiel e seu complemento divino Ametista


Arquétipos do Mapa do Destino



Galeria de Arquétipos para elaboração do Mapa do Destino


Arquétipos representam a forma como nos relacionamos com o poder material, com a autoridade e com as escolhas que fazemos.


As energias arquetípicas são neutras, nós é que lhes fornecemos as energias para atuarem positiva ou negativamente em nossas vidas. Estes Arquétipos nos fornecem imagens poderosas que nos nutrem e apoiam, são companheiros íntimos da intuição, nos tornam conscientes da nossa vulnerabilidades e medos


Os quatro Arquétipos básicos e universais simbolizam os grandes desafios que enfrentamos e a forma de sobrevivência que escolhemos. Juntos representam os nossos medos e vulnerabilidades que nos forçam a conferir nosso poder no mundo. Também representam a força espiritual que nos ajuda a lidar com os problemas da vida real. Estes quatro Arquétipos representam os quatro pontos que servem de base para a nossa sustentação na vida. Assim como as quatro pernas de uma mesa, estes arquétipos precisam ser estáveis suficientes para sustentar o peso de nossa vida e de nossa missão.


Alquimista – Mago, Mágico, Cientista, Inventor.

Aluno

Amante

Anjo

Artista

Atleta

Buscador

Camaleão

Cavaleiro

Companheiro

Comunicador

Contador de Histórias

Criança – Arquétipo Universal – A Guardiã da Inocência A Criança é um dos Arquétipos mais poderosos da nossa psique, porque nascemos nele. Através deste Arquétipo percebemos a vida, a segurança, a satisfação, a lealdade e a família. A Criança se manifesta em diversos aspectos: Divina, Eterna Menina/Menino, Ferida, Carente, Inocente, Órfã, Carente. Estes Arquétipos podem surgir em resposta a diferentes situações em nossas vidas. O Arquétipo da Criança está relacionado ás nossas dependências e ao assumirmos as nossas responsabilidades. Este é um dos Arquétipos mais forte que nos ensina que tudo é possível.

Criança Divina / da Natureza – Estreita ligação com as forças da natureza, especial afinidade com as plantas e animais. Apesar da Criança da Natureza ser carinhosa e emotiva, tem também a força interior e a capacidade de sobrevivência – a resistência da própria natureza. Podem desenvolver habilidades avançadas de comunicação com os animais e espíritos da natureza, os elementais. Nas histórias deste arquétipo um animal costuma vir e salvar a criança. Este arquétipo está presente no mapa de muitos veterinários e ativistas dos direitos dos animais e defensores da natureza, aprendendo a trabalhar em harmonia e mantendo a ordem natural. O amor aos animais não é suficiente para escolhermos este arquétipo, é preciso uma vida de relacionamento com animais, cuidando deles e sentido-se próximo a eles. O aspecto sombra se manifesta em uma tendência a abusar dos animais, das pessoas e do meio ambiente.

Criança Ferida / Carente / Abandonada – Este arquétipo traz a lembrança de abuso, negligência ou outros traumas sofridos na infância; reconhecido como o maior culpado pelo sofrimento adulto. Sugere que você acha que as experiências dolorosas e abusivas de sua infância tem influência substancial em sua vida adulta. Culpa-se a Criança Ferida por todos os relacionamentos disfuncionais subsequentes. As experiências da Criança Ferida costumam despertar profunda compaixão e desejo de ajudar outras Crianças Feridas, pelo aprendizado do perdão. O aspecto sombra se manifesta como uma grande auto piedade, a tendência de culpar os pais por seus defeitos e a recusa do perdão.

Criança Divina / da Natureza

Criança Eterna Menina / Menino

Criança Ferida / Carente / Abandonada

Criança Inocente / Mágica

Criança Órfã

Curador

Defensor

Destruidor

Detetive

Deus

Deusa

Don Juan

Donzela

Engenheiro

Escravo

Escriba

Exorcista

Fofoqueiro

Guerreiro

Guia

Hedonista

Herói / Heroína

Jogador

Juiz

Ladrão

Libertador

Mãe

Mártir

Mediador

Mendigo

Mentor

Messias

Midas / Avaro

Místico

Monge / Freira

Mulher Fatal

Pai

Palhaço

Pioneiro

Poeta

Príncipe

Prostituta – Arquétipo Universal – A Guardiã da Fé - – Sua função é a de nos advertir quanto a nossa integridade. Adverte-nos sobre o quanto somos capazes de corromper a nossa integridade, por medo da não sobrevivência física, financeira, emocional. Ao ignorarmos este Arquétipo, a Prostituta de Sombra ativa os aspectos inconscientes relacionados à sedução, o controle e a venda de nossos talentos, ideias, ou outras expressões de nós mesmos. O aprendizado com a Prostituta de Luz faz emergir a autoestima e o auto respeito.

Rainha

Rebelde

Rei

Sabotador – Arquétipo Universal – O Guardião das Escolhas – Sua função é nos advertir para não repetirmos erros. Manifesta-se em situações em que nos encontramos em perigo de sermos sabotados pelos outros, ou de sabotarmos os outros, e principalmente de sabotarmos a nós mesmos. Está relacionado aos medos de baixa autoestima, que nos impulsionam a fazer escolhas de vida que bloqueiam a nossa força e a nossa capacidade de sucesso.  Ao nos harmonizarmos com este Arquétipo, aprenderemos a ouvir suas advertências, evitando desta forma muita dor de cabeça proveniente pela repetição de erros. Quando ignoramos este Arquétipo, o Sabotador de Sombra se manifesta na forma de comportamentos autodestrutivos ou na forma do desejo de sabotar os outros.

Sacerdote

Salva-Vidas

Samaritano

Servo

Trapaceiro

Valentão

Vampiro

Viciado

Vingador

Virgem

Visionário

Vítima – Arquétipo Universal – A Guardiã da Autoestima – O Arquétipo da Vítima se manifesta sempre que não obtemos aquilo que queremos; quando nos sentimos enfraquecidos ou prejudicados em alguma situação; quando não nos sentimos suficientemente reconhecidos; quando estamos carentes, sentindo necessidade de receber atenção. A Vítima nos alivia das nossas culpas. Quando devidamente reconhecido, este arquétipo representa uma enorme ajuda nos avisando quando estamos em perigo de sermos vitimados, muitas vezes por passividade, mas também, por ações impensadas ou inadequadas, além de nos fazer enxergar uma tendência a vitimar outros para o nosso ganho pessoal. O aspecto sombra deste Arquétipo, nos mostra que bancamos a Vítima para conquistarmos a simpatia ou apoio dos outros. O objetivo é aprender a reconhecer estas atitudes inadequadas em nós mesmos e nos outros, e agir de modo correto.
Deusas:

DANÇA  DO  VENTRE  DOS  TEMPLOS  AOS  PALCOS


Hoje, ao assistirmos a uma exibição pública de dança-do-ventre, visualizamos apenas o aspecto exterior de uma dança étnica, que através de seus movimentos produz encantamento e sedução. Os povos árabes, quando invadiram o antigo Egito, apossaram-se de seu governo, suas terras e sua cultura. Os árabes se encantaram com os movimentos desta dança e exigiam que suas filhas aprendessem este ritmo, para poder assim vendê-las por uma quantidade maior de camelos. Porém em tempos remotos não era assim, a dança não tinha este aspecto profano de sedução. Esta é a mais antiga dança que se conhece, atribui-se a sua existência a 4.000 a.C. Os primeiros registros dessa dança se encontram no Antigo Egito, onde somente as Sacerdotisas do Templo praticavam esta dança dentro de um ritual sagrado, vetado aos olhos públicos. 
As Sacerdotisas eram consideradas mulheres sagradas que dedicavam sua vida ao cumprimento de uma missão divina. Elas não podiam ser tocadas pelas mãos impuras dos homens profanos. A função da dança das Sacerdotisas, era a de transmutar as cargas de energia negativas, despertando a serpente de forças da Kundalini, para que esta força ao subir pela coluna vertebral fosse abrindo os Chakras (centros de força), tornando as Sacerdotisas capazes de assimilar as forças superiores que se manifestavam através delas. A dança era um instrumental de meditação ativa e harmonização com o ritmo cósmico. Tinha a intenção de despertar a visão interior, retornando do exterior para o seu interior, buscando o seu centro, estabelecendo o contato com a sua essência.
Trazemos a origem da dança impregnada na memória de nossas células. O corpo feminino nos tempos primórdios era considerado sagrado. Os antigos povos primitivos não entendiam como acontecia a reprodução humana, por isso viam o corpo feminino como um templo sagrado, porque nele a vida era magicamente gerada, proporcionando a perpetuação da espécie. Desde cedo as meninas eram preparadas para a fertilidade e a maternidade, vistas como um ato sacro. O movimento exercido pelo ventre tinha a intenção de exaltar as energias da criação concentradas no útero. 
Os movimentos exercidos pela dança buscam expressar os ciclos de mudanças planetárias e das estações, o seu habitat. Reproduzindo os movimentos do ar, da água, do fogo, das areias do deserto; os movimentos dos animais (peixe, gato, falcão, camelo, cobra) e plantas nativas (palmeiras ao vento), interagindo em harmonia com o ritmo da natureza.
A dança também exerce um caráter terapêutico, estimulando a vitalidade e despertando a alegria. No físico aumenta os reflexos e educa a postura; fortalece, alonga e tonifica os músculos; auxilia o bom funcionamento intestinal, a normalização do ciclo menstrual e o parto; alivia tensões da nuca, ombros e mãos; ativa a circulação, promove maior oxigenação de ar nos pulmões; estimula os órgãos reprodutores e o equilíbrio hormonal. No nível psicológico desenvolve a coragem, a iniciativa, a tomada de decisões; a flexibilidade, a capacidade de gerar mudanças e de fluir com o ritmo da vida; promove a feminilidade, a leveza, a criatividade, a confiança e segurança. Torna a mente ágil, estimula a memória e favorece a concentração da atenção, desperta a consciência para o momento. Atua nos centros de força, distribuindo as energias harmoniosamente, equilibrando e desbloqueando os chakras.
A dança-do-ventre quando exercida dentro do seu aspecto sagrado, espiritual, torna a mulher a verdadeira expressão da força do princípio feminino, redescobrindo o sagrado dentro de nós, revivendo o movimento dos elétrons na camada orbital do átomo e a dança cósmica das galáxias. O macro e o microcosmo refletidos no divino dentro de nós.

Autor: Rosana Aranha         data: 19/05/2002
fontes Bibliográficas: revista Ótima - Especial Dança do Ventre; revista Bom Astral, ano 3 - n°16; artigo "Sacro Ofício Dançar" do jornal Clarslin, n° 60 - 06/01; Palestra: "Danças Circulares" - Samira
- 18/08/01; Palestra: "Dança do Ventre" - Sílvia Ximenes - 09/11/01.


OS  ÁRQUÉTIPOS  DA  DEUSA  INTERIOR  NA  DANÇA  DO  VENTRE


AFRODITE (VÊNUS)


A deusa Afrodite (Vênus), deusa do amor e da beleza, simboliza o início da força vital, a necessidade do sentimento primordial; a ânsia de um relacionamento que precede um encontro com outra pessoa, pois se não estivermos predispostos à receber, a outra pessoa não surgirá. Indica um transbordamento de sentimentos, embora este sentimento ainda não tenha se manifestado. Potencial para o início de um relacionamento.

Simbolismo: Símbolo da compaixão, da Alquimia no Amor; é a Musa Inspiradora, deusa do amor e do êxtase, do prazer e das artes. Simboliza o desejo de união e relacionamentos românticos e felizes. Potencializa talentos para relacionamentos, beleza, criatividade, arte e estética. A Deusa Afrodite é despertada através da sensualidade, força, sexualidade, quebrando os tabus e preconceitos.

Amuleto da Deusa: Seu símbolo é a concha aberta que a trouxe do mar no seu nascimento. Afrodite possui ainda um cinturão mágico que tem o poder de encantar, seduzir e escravizar os homens.

Profissão da Mulher-Afrodite: modelo, atriz, poetisa, dançarina, pintora, modelagem, decoradora.

Signo: Libra – rege a ética, a estética, a beleza e a arte; e Escorpião – rege a natureza sensual e sexual.

Luz e Sombra: A essência de Afrodite é usada quando se quer ressaltar a mulher, quando se quer satisfazer os desejos de natureza física e instintiva, apetites sexuais e por comidas, sobretudo as exóticas, caprichos, necessidade de segurança e conforto. Também quando sentimos dificuldades de impor limites para o nosso corpo ou sendo sugadas em algum relacionamento. Afrodite é a força catalizadora de tudo, ela nos faz seguir em direção à vários caminhos, dependendo de estarmos estimulando o seu lado luz ou o seu lado sombra. A ausência de Afrodite na nossa personalidade torna-se deficiente a possibilidade de união sexual-espiritual na relação.

Luz de Afrodite em nós: A mulher que reflete a luz de Afrodite é bela, cultiva a beleza, cuida das unhas, cabelos, pele, vestimenta. Dedica-se a beleza do corpo de forma sensual, usa roupas de moda, esvoaçantes ou justas, marcando as curvas sensuais do corpo, tecidos que produzam um toque gostoso na pele. É delicada em sua postura e no andar. A mulher é vaidosa e não pode ouvir uma música que já sai dançando, sem timidez. Através da dança elas vivenciam a alegria e a vontade de viver. Seu ventre ondula com o fogo serpentino e seu corpo explode em prazer. Suas roupas são inovadoras, criativas e coloridas. Seus brincos são grandes, brilhantes e chamativos. Gosta de seduzir e de ser seduzida. Possui energia criativa e cria beleza ao seu redor. Adora perfumes, flores, músicas sentimentais e comidas finas. É ousada e sem pudor. Tem o dom de trazer a união do masculino e do feminino, através do toque do corpo, do sentir e do olhar. O homem é muito importante e necessário para ela, que gosta de ter vários à sua volta. Ele tem que conquistá-la com envolvimento amoroso. A relação que importa para ela é através do coração. Somente ama quando o sentimento é mútuo. O homem precisa ser criativo com o tipo Afrodite, ele precisa proporcionar jantar à luz de velas, cobri-la de presentes e flores, porque ela investe muito no relacionamento e merece algo em troca. Valoriza a conexão sentimental com os outros. O nascimento da Afrodite na vida da mulher indica a possibilidade de apresentar novas ideias e alternativas. A deusa Afrodite é sensual e sexual, de sua energia flui a criatividade e a fertilidade. Afrodite nos carrega de excitação e energia quando temos que traçar um projeto. Ela nos ajuda na autovalorização e amor próprio.

Sombra de Afrodite em nós: a repressão é a sombra de Afrodite, reprimindo sua capacidade e seu talento, pode gerar violência contra si mesma. Quando há falta da luz de Afrodite não gostamos de nós mesmas, nos depreciamos, falta criatividade e não conseguimos ver a beleza em nós. A Afrodite esquecida, a de sombra, quando sufocada e reprimida tira a nossa coragem de reagir e de impor o que somos e o queremos em qualquer relacionamento. Falta-nos opinião e força para criar um outro momento em nossa vida. Esta situação gerada pela competição ou pela tomada do poder do seu cinturão mágico, não permite que flua o sentimento de amor no coração e nos tolhe os passos. Experiências amorosas frustrantes e agressivas fizeram-na esquecer do que lhes da prazer. Os tabus a impede de vivenciar a sexualidade verdadeira. A deusa encarcerada como concubina, prostituta, amante ou cortesã necessita curar e repelir a sombra de Afrodite, libertando o amor e a sexualidade reprimida.

Partes do corpo regidas por Afrodite: órgãos genitais, ânus, uretra, bacia, coxas, pernas e pés.

Chakra: Muladhara - Básico.

Cor: Vermelho rubi.

Elemento: terra.

Energia: vitalidade.

Qualidades: autodisciplina, organização.

Atuação: alimento, dinheiro, hereditariedade, longevidade, satisfação física e material.

Função: instinto de autoafirmação, sobrevivência, preservação, escolhas corretas, noção de tempo e espaço, regula o fluxo das energias recebidas do sol e da terra.

Essência estimulante: Rosas vermelhas e Ylang-ylang.

Aroma equilibrante: Vetiver 

Cristais: Granada, Jaspe vermelho, Rubi, Rubelita, Cristal de Quartzo Vermelho.

Ervas: Arruda (Ruta graveolens).

Instrumentos: percussão, tambores, bateria.

Notas Musicais: Do.

Mantras: Lam.

Alimentos: raízes e tubérculos que crescem embaixo da terra (batata, cenoura, mandioca, gengibre, etc); alimentos e frutas vermelhas.

Condimentos: Pimenta do reino.

Chás: Manjericão.

Sucos: Coragem - caju, maçã, beterraba e cenoura. Para auxiliar no tratamento da anemia e reposição nutritiva.

Banhos: Limpeza - Arruda, Guiné, Alecrim, Manjericão, Sálvia e Sal Grosso.



Movimentos da Dança: Pernas e Pés: Passo Yasmin e Passo Grego. Complementares: alongamento, flexão e rotação dos tornozelos; fortalecimento, soltura e rotação dos joelhos. Proporciona a abertura do chakra da terra, promovendo firmeza, persistência, garra, direcionamento e coordenação motora.


Movimentos do Véu: Capa de Anjo. Afrodite é exibicionista, o véu nesta postura funciona como um pano de fundo, uma moldura que visa destacar a obra de arte: a bailarina.



Mitologia Afro-brasileira

Mitologia Celta

Mitologia Grega-romana
Mitologia Indiana
Mitologia Nórdica
Deuses:
Mitologia Afro-brasileira
Mitologia Celta

Mitologia Grega-romana
Mitologia Indiana
Mitologia Nórdica
Elementais

Duendes e Gnomos


Fadas e Elfos


Sereias e Nereidas


Salamandras e Djins


Dragões